21.2.09

Fonte: RTP

 

 

 

Esta é uma das conclusões da obra "Obesidade em Portugal e no Mundo", a primeira de autores portugueses sobre a dimensão global da Obesidade.

Editada pela Faculdade de Medicina de Lisboa com o apoio dos Laboratórios Abbott, a obra foi coordenada por Isabel do Carmo, directora do Serviço de Endocrinologia do Hospital de Santa Maria e docente daquela Faculdade.

 

Em declarações à Lusa, Isabel do Carmo explicou que este é o primeiro livro que dá uma panorâmica do que existe sobre obesidade em Portugal e no mundo, com dados referentes à idade pré-escolar, escolar, adolescência, 20 anos e idade adulta assim como faz uma recolha das consequências da obesidade.

 

Segundo a investigação, a tendência de cada indivíduo, que se reflecte na população em geral, é ter uma percepção subjectiva de menos peso e mais altura.

Em todas as idades as pessoas acham que têm menor Índice de Massa Corporal do que aquele que têm de facto.

 

"Quando se pergunta, as pessoas dizem sempre que pesam menos e medem mais", disse em declarações a Lusa a endocrinologista Isabel do Carmo, acrescentando que o livro revela esta diferença entre o índice de massa corporal subjectivo e o objectivo.

 

O trabalho de investigação mostra ainda que a elevada prevalência da obesidade estará intimamente relacionada com a chamada "transição nutricional", caracterizada por mudanças quantitativas e qualitativas nas escolas alimentares.

Os consumos alimentares diferem entre os sexos.

 

As mulheres mencionam uma maior frequência de consumo de sopas, legumes e frutos frescos assim como de lacticínios de baixo teor de gordura, alimentos que são indicados pela literatura como podendo exercer efeitos potencialmente benéficos na prevenção da sobrecarga ponderal.

 

Por outro lado, o livro revela que os mais jovens apresentam frequências de consumo mais elevadas de alimentos tendencialmente hipercalóricos e de baixa densidade nutricional.

A obesidade tornou-se um dos grandes problemas de saúde pública no final do século XX e um dos maiores do século XXI, com dimensões que ultrapassam muito as questões plásticas que levam, sobretudo as mulheres, à consulta da especialidade ou ao consumo de medidas avulsas de tratamento.

 

Portugal aparece neste livro como um país médio em matéria de incidência da obesidade, juntamente com Espanha e Grécia, mas não é por isso que a situação deixa de ser preocupante, em especial nas crianças.

 

"É preocupante porque, enquanto nos adultos nos situamos na média da Europa, nas crianças estamos entre os piores. Dos três aos 18 anos temos os piores números, o que quer dizer que as actuais crianças e jovens vão ser muito mais obesos do que os adultos actuais e isso é assustador", disse.

 

Na Suécia, por exemplo, explica Isabel do Carmo, regista-se uma regressão da obesidade infantil, fruto de um grande investimento em campanhas contra o problema.

Os países mais desenvolvidos estão melhor, os da bacia mediterrânica estão pior e há ainda uma evolução negativa da Inglaterra, Alemanha e dos países do bloco de leste que, em 20 anos, passaram para o dobro em consequência do empobrecimento da população, adiantou a especialista.

 

Nos adultos, Portugal tem uma prevalência de obesidade de 14,5 por cento enquanto em Itália esse valor é de nove por cento e na Rússia de 16 por cento.


Clicar na imagem para ver o video

 

Fonte : www.rtp.pt

 

 

 

link do postPor buxi, às 20:35  Comentar

Começo a ver nos blogs as amendoas e as bolachas de arroz integral a aparecerem. Pelo menos espero que possa contribuir para a produção nacional de amendoas e a manter os empregos dos apanhadores de amendoas :D:D:D

 

 

http://img134.imageshack.us/img134/2443/amendoeira1rg0.jpg

 

Amendoeira

 

 

 

 

 


20.2.09

Bom dia

 

Hoje a balança indicou 56 kg certinhos. Portanto perdi 800 gramas neste semana.

 

Ontem experimentei uma sugestão da Menos Peso e fiz maçã assada ( eu meti 2 minutos no microondas) e polvilhei com canela. Muito bom! Experimentem!

 

Para quem tem pequerruchos (e não só) deixo aqui uma sugestão de máscaras de Carnaval para imprimirem no meu outro blog Brinquedos de Papel

 

Beijokas e bom fim de semana!

 

 


18.2.09

Segundo estudo que será apresentado em abril no encontro anual da Academia Americana de Neurologia, a obesidade pode aumentar o risco de sofrer enxaquecas.
 
O estudo foi realizado na Universidade Drexel. Os pesquisadores disseram que as pessoas com idades entre 20 e 55 anos que eram obesas – tanto na medida da gordura abdominal quanto no índice de massa corporal – eram mais propensas a reportar enxaquecas ou outras dores de cabeça crônicas.
 
Para tanto foram analisadas 22 mil pessoas que participaram de uma pesquisa do governo. Os especialistas observaram que 37% das mulheres com obesidade abdominal tinham enxaquecas, comparadas com apenas 29% das não-obesas. E, entre os homens, os resultados não foram muito diferentes – 20%, contra 16%, respectivamente.
 
Agora, os pesquisadores pretendem avaliar se a perda de peso, principalmente com mais atividades físicas, pode reduzir as enxaquecas.

 

Fonte: Diário do Grande ABC

 

 

 


RSS

Pesquisa de artigos :
 
Arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D