13.4.06
Não exagere nos adoçantes - estudos sugerem que o aspartame é capaz de aumentar ainda mais a vontade de comer doce. Não é porque um produto é diet ou light que ele não tem calorias.
link do postPor buxi, às 09:40  Comentar

6.4.06


 


O que eu faço quando me dá aquela vontade de assaltar a geladeira? 


Com certeza, essa é uma das perguntas mais freqüentes que ouvimos de um paciente que precisa emagrecer. Tudo ia bem, a dieta era personalizada, agradável, aí aquela vontade apareceu, não sei de onde e lá se foi por água abaixo mais uma dieta.


O que fazer?


Será que existem medidas salvadoras para enfrentar esse desejo destruidor? Para controlar essa vontade, você tem de adquirir a capacidade de escolha e escolher outra coisa que não seja comer. Não se trata de deixar de comer ou negar o prazer que o alimento nos traz, mas quem resolve que vai comer e quando é você, não alguma coisa lá dentro que dispara o gatilho da fome. Trata-se de ficar com a gratificação imediata ou eleger a recompensa de médio prazo de ser magra e saudável. Quando você consegue mandar embora essa vontade irrefreável de comer, estará desenvolvendo resistência à tentação e descobrindo que pode sim apostar na sua persistência diante das tentações. Essa vontade de comer é uma reação automática, não refletida ou raciocinada. Quem é vítima desse mecanismo, vai para geladeira movido pela ansiedade como sendo a única opção, sem pensar, como fazemos quando dirigimos um carro.


É um hábito interiorizado, adquirido e utilizado automaticamente, como quando nos aplicamos às regras gramaticais para nos expressarmos corretamente, sem pensar que elas existem.


Para quebrar esse hábito, você tem de trabalhar em etapas. Precisa aprender a raciocinar enquanto a coisa está acontecendo e não depois que rolou a comilança e você cai em si e começa a se torturar. O controle da vontade de comer se consegue tomando conscientes de um comportamento que estava automatizado, fora do controle.


O primeiro passo é entender como é que você vai conseguir conquistar esse autocontrole. Parta sempre do princípio que para desmanchar um hábito arraigado há muito tempo, precisa de paciência, perseverança e tempo. Mais importante do que o resultado é o processo, que praticado, levará ao sucesso. Você vai falhar, de vez em quando, mas encare esses tropeças como oportunidades de aprender.


Vamos inverter essa jogada - não é a comida que controla você, mas você é quem controla a comida. Identifique os primeiros sinais de perigo Para entender as circunstâncias que disparam o gatilho da gula, comece a prestar atenção e anotar mesmo as sensações, situações, pensamentos, se está só ou acompanhada, o dia e a hora em que os ataques de vontade de comer aconteceram.


Enquanto está anotando, você não está comendo e vai dando um tempo para a vontade passar. Além disso, esse registro vai lhe trazer informações importantes para você estabelecer relações entre situações diversas e o comportamento alimentar. Vai ficar claro para você como não é a fome que carrega você para a comida. Em geral, é a ansiedade, o stress, a tristeza, a preocupação, dificuldades interpessoais, pensamentos desagradáveis, pessimismo, desesperança, baixa auto-estima, preocupação com dietas, falta do que fazer. Neutralize o impulso


Se, no momento em que bater a vontade, você conseguir parar para pensar, pergunte-se: é fome? Você estará raciocinando dentro do processo, avaliando vantagens e desvantagens de ceder ao impulso de comer sem fome enquanto esse impulso está tentando vencer você. Você estará brigando de frente com esse inimigo.


 


 Vá mais adiante e pergunte-se: que outras coisas poderia fazer em vez de comer para afastar essa sensação que deparou o gatilho da gula? Para ajudar a encontrar respostas, vale colocar lembretes escritos na porta da geladeira, grudados na sua carteira, na despensa. Tudo para interromper a resposta automática que vem assim de surpresa. O objetivo é retardar a gratificação e permitir que você se questiona, conversando consigo mesma. Se o diálogo interno anterior era "estou ansiosa então vou comer", agora vai dizer para si mesma: "para resolver essa ansiedade não adianta comer". Muitas vezes, os poucos segundos que esse diálogo ocupa já basta para afastar o impulso. Em vez de comer, faça um programa A pergunta agora é: o que eu poderia fazer em vez de comer? Liste o maior número de alternativas possíveis. É fundamental que você pense em coisas gostosas, como visitar um amigo, ir ao cinema, fazer uma caminhada, escutar uma música, dançar, ler uma boa revista, etc*. Daí você vai avaliar as alternativas e identificar porque nunca optou por elas no lugar da comida, já que são sinônimos de prazer para você. "Porque receio fazer aquilo que sei que deveria fazer? Porque não quero caminhar se eu sei que me fará bem? Do que estou com medo?"


Você vai entender por que se afasta de coisas que gosta e te fazem bem e foge para uma alternativa que está te prejudicando. Coloque em prática o novo prazer! Deu certo? Caminhar ajudou você a sobreviver ao ataque de fome? Foi gostoso? Se essa alternativa não funcionou, escolha outra, até consiguir matar a gula, sem comer. Tenha paciência. Vamos relembrar : preocupe-se em fazer essa passagem e não fique pensando só no objetivo lá longe. O caminho para mudar um hábito antigo, arraigado na sua vida, é fazer o caminho de volta gradativamente, sem pressa. Se voe se impuser um prazo muito curto, vai se frustrar. Pense bem: por muito tempo você cedeu a esse maldito impulso que virou um vício adquirido e automatizado ao longo do tempo. Mudar isso também vai demorar. Vão haver deslizes, mas aos poucos vai começar a automatizar também as soluções, a partir do tal diálogo interno de você com você mesma. Emagrecer desta forma poderá parecer mais lento, mas esse é o jeito de encontrar um caminho sob medida para você. Dr. Marco Antonio De Tommaso


* acrescentei aqui um Sudoku!hehe!


retirado do site: http://www.lufrancesa.blogger.com.br/

link do postPor buxi, às 15:08  Comentar

4.4.06
Maças e emagrecimento



Conhecidos por sua longevidade, os japoneses estão sempre à procura de ingredientes ou substâncias encontrados na natureza que possam melhorar ou ajudar na manutenção da saúde. Ao contrário de nós ocidentais, a população japonesa quase não ingere alimentos ricos em proteína de origem animal nem tão pouco é “fanática” pela prática de exercícios físicos, tais como, musculação, corrida, etc... E, no entanto, continuam sendo um dos povos de maior longevidade.

Qual o segredo dos japoneses? É possível que a resposta não seja tão simples a ponto apontarmos um único fator como responsável pela longevidade entre os orientais. Entretanto, algumas pesquisas em andamento comprovam o que a grande maioria da população nipônica já sabia: alimentos saudáveis podem ser a chave essencial para conquistar a saúde e, por conseguinte, a longevidade.

Desse modo, pesquisadores da Nippon Sport Science University Graduate School acabam de divulgar junto à comunidade científica o poder que as maçãs parecem ter sobre, não apenas a saúde, mas quem sabe também sobre uma maior facilidade em emagrecer e perder gordura corporal.

De acordo com o trabalho realizado por pesquisadores japoneses, a ingestão moderada de maçãs durante um período de três semanas foi capaz de promover uma perda de gordura de aproximadamente 20% em cobaias de laboratório, além de aumentar significativamente a capacidade antioxidativa das cobaias.

Ricas em substâncias denominadas Polifenóis (as mesmas encontradas em uvas e vinho tinto), as maçãs parecem exercer um papel de “varredores” de radicais livres para fora de nosso corpo. Apesar de há muito já sabermos sobre as propriedades antioxidativas das maçãs, a surpresa ocorreu quando os pesquisadores detectaram uma sensível perda de gordura corporal nas cobaias participantes do estudo.

Essa foi a primeira vez que uma pesquisa comprovou a capacidade lipolítica (destruição de gordura) por parte dos polifenóis. Apesar de necessitar de maiores estudos, essa descoberta sugere que devemos considerar seriamente incluir o consumo diário de maçãs em nossa dieta cotidiana.

Onde encontrar - Podemos dizer que os polifenóis são encontrados em diversas formas na natureza. Parte integrante dos flavonóides, os polifenóis são substâncias com grande poder de neutralizar as moléculas de radicais livres (as quais causam lesão às células e, conseqüentemente, doenças), sendo consideradas, portanto, como substâncias antioxidantes. Dentre as grandes fontes de flavonóides polifenóis, podemos citar, além das maçãs, o vinho tinto, as uvas, o morango, a pêra, a ameixa, a cereja, o chá e o chocolate.

Apesar de todos serem ricos em polifenóis, a maçã é a grande campeã na concentração dos mesmos.

O exemplo dado pela maçã demonstra claramente que o verdadeiro segredo da longevidade e da manutenção da saúde reside na simplicidade do que comemos e fazemos. Afinal, talvez não esteja distante o dia em que os profissionais de saúde passem a receitar alimentos funcionais no lugar dos tradicionais medicamentos indicados para o tratamento das patologias. Isso, sem dúvida, pode representar uma verdadeira revolução na extensão da vida humana .

Retirado de :
http://www.dietaesaude.com.br/Materias/ShowMateria.aspx?MateriaId=234


link do postPor buxi, às 14:52  Comentar

RSS

Pesquisa de artigos :
 
Arquivos
2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


2007:

 J F M A M J J A S O N D


2006:

 J F M A M J J A S O N D


2005:

 J F M A M J J A S O N D